sexta-feira, 16 de outubro de 2009

A Supervia Informa...

Companheiros,


acompanhando o ritmo dos noticiários desta semana, a pauta que mais me chamou a atenção foi a situação tensa nas estações de trens no Rio de Janeiro. Vou optar por um assunto bem regional, mas que se formos analisar a fundo, entra em âmbito nacional. Já há algum tempo, a lua-de-mel entre os usuários da Supervia e a empresa acabou, haja vista as "chicotadas" que alguns passageiros levaram há algum tempo. A companhia chegou bem, com preços baratos, promoções, reformas de trens e estações e bons serviços. Não entendo como deixaram o serviço cair tanto. E vocês? O que acham? A Supervia está deixando a desejar ou o povo merece o serviço que tem, por não ser zeloso? E partindo para uma discussão mais ampla, com tanta malha ferroviária no Rio, por que nossos trabalhadores têm de enfrentar engarrafamentos monstruosos para chegarem em seus trabalhos ou suas casas? E o Brasil, com esta vasta rede de ferrovias que se torna cada vez mais refém do caro, poluidor e perigoso transporte rodoviário? Será que vale a pena?

Preocupadamente,

Dr. Ernesto.

P.s.: Não deixem de participar da nossa enquete, na coluna ao lado!

11 comentários:

Eiserner Kanzler disse...

olá, é desculpe tentar te corrigir mas "com tanta malha ferroviária no Rio" não é do mesmo rio que estamos falando é?
E "E o Brasil, com esta vasta rede de ferrovias que se torna cada vez mais refém do caro" desculpe mas o nossa rede de ferrovias no brasil é despresivel, nao somos refens por opção mas sim por falta de escolha.

respeitosamente expondo a minha opnião!!!
Eiserner Kanzler

Peter Garcia disse...

É certo que a utilização da ferrovia é proveitosa,visto o grande tráfego que encontramos nas rodovias de nosso país. Mas não adianta de nada o baixo preço do trem e ausencia de "engarrafamentos"se o que encontramos no mesmo meio de transporte são constantes atrasos e uma má conservação. Sofri com isso no último feriado do dia 12 de Outubro em que fiquei meia hora dentro de um trem lotado para que então ele desse partida.
Claro que tudo isso não justifica atos de vandalismo do povo,pois aquele mesmo trem com suas limitações é o único meio de transporte para algumas pessoas.

Abraço a todos!

Dr. Ernesto disse...

Caro Eiserner,

agora sim concordo com você! Só que utilizei estas frases, porque acho que, mesmo com a extensão de trilhos que temos, ainda é muito perto do que já foi investido até hoje. Agora, não sei se vais concordar, mas depois de Juscelino e sua fome pelas rodovias, as estradas de ferro se foram.

Grato,

Dr. Ernesto.

Diogo Pedro disse...

Prezados amigos, apesar de todos os problemas a extensão de nossa malha ferroviária é sim muito considerável, se extende por grande parte da cidade do Rio de Janeiro e Baixada Fluminense. O problema é que existem duas malhas ferroviárias separadas pela privatização, uma é operada pela empresa MRS e se destina ao transporte de carga, já a outra é operada pela malfadada Supervia e transporta carga também (risos...), digo, passageiros. O que falta é vontade política, se ambas as malhas ferroviárias fossem unidas em prol de um denominador comum o transporte de passageiros por trens se daria até os Estados de São Paulo e de Minas Gerais, haja vista o então existente Trem de Prata (de propriedade da rede hoteleira Othon) que ligava o Rio de Janeiro a são Paulo, em uma belíssima viagem pela Costa Verde.

Daniel Braga disse...

Quanto a Supervia eu não sei se posso responder com certeza, posso dar no máximo uma opinião baseada em suposições. Acho que a empresa chega com bons planos, com boas idéias. Mas ao ascender, a sede por mais lucros acaba sendo maior. Pra que colocar um trem de ótima qualidade se os passageiros não vão conservar se eu posso deixar o trem de condições inferiores, lucrar com isso e não ter problemas com a depredação dele já que o mesmo já se encontra em péssimo estado?
O episódio das chicotadas foi um absurdo. Por isso não culpo o povo as vezes a se revoltar de forma exagerada, talvez seja um dos poucos jeitos que eles conseguem ver para se revoltar. Nem todos são esclarecidos e nós sabemos bem disso.
O problema das rodovias eu já posso falar com um pouco mais de propriedade, tendo em vista que ontem fiquei praticamente quatro horas pra chegar de São Gonçalo até a Tijuca (percurso que levo normalmente 45 minutos). O problema dessa vez foi a chuva, vilã do trânsito do Rio de Janeiro. Choveu, alagou. Uma vergonha um problema que eu vejo desde que me entendo por gente não ser selecionado, pelo contrário, só se agravou. Mas esse é só um dos problemas do transporte rodoviário. A falta de consciência quanto a utilização dos veículos, por exemplo. O número de carros, ônibus aumenta a cada ano de forma absurda. Dependendo do horário que você entra num ônibus você demora mais de três horas num percurso que deveria demorar apenas alguns minutos. Fico imaginando o caos que vai se instalar daqui a uns 10 anos.
A solução são formas alternativas de transporte. Mas vai você sair de bicicleta por ai. Por mais que isso pareça bonito, não estamos na Europa e aqui, muito mais que lá, tempo é dinheiro.

Anônimo disse...

Dr. Ernesto, mudando completamente de assunto, me responda uma coisa: É verdade que só vão tirar petroleo do pré-sal daqui a 15 anos?

Dr. Ernesto disse...

Companheiro Daniel,

corroborando com sua opinião, acho que existe um lobby para que cada vez mais o transporte de massa seja esquecido, como os recentes problemas das barcas e agora os problemas da Supervia, forçando o trabalhador a recorrer aos coletivos das milionárias empresas de ônibus. Por que não temos um sistema de barcas eficiente ligando a Baía de Guanabara? Outro ponto importante é que com esse IPI de pai para filho, quem pode tratou logo de comprar seu zero km e "inundou" as ruas com eles. Voltaremos a falar disso mais a frente.

Abraços,

Dr. Ernesto.

Dr. Ernesto disse...

Companheiro Diogo,

fico muito honrado com sua presença por aqui.

Abraços.

Dr. Ernesto.

Kíssila disse...

Não sou usuária de trens atualmente mas acredito que os problemas que vem sendo noticiados sempre existiram, apenas estão tendo maior destaque no momento...Assim como aconteceu, não tem muito tempo, com as Barcas SA, onde também foram mostrados inúmeros casos de acidentes, atrasos e blá blá blá. O povo realmente não é zeloso, mas merece sim um serviço de qualidade pq afinal como diria Lady Katy, "Tô pagaaando!" Brincadeiras à parte, acho q nada justifica o péssimo serviço prestado e como citei no começo, esse problema é muito antigo e infelizmente vai demorar a ser solucionado... E ainda me pergutam pq moro tão loonge!

Dr. Ernesto disse...

Caro anônimo,

segundo o que sei, a extração do petróleo desta camada já ocorreu mas não em sua capacidade total. Talvez, esses 15 anos a que você se refere, pode acontecer a extração em sua potência total. Mas já acontece a extração. Só que existe a preocupação com o potencial da jazida, pois se não for praticada de forma moderada, pode se extinguir em uma geração.

Att,

Dr. Ernesto.

Diogo Pedro disse...

Por nada companheiro! é sempre um prazer colaborar. Principalmente quando os assuntos abordados são de interesse público!

Um forte abraço!