terça-feira, 8 de setembro de 2009

Feriado ou desespero???

Companheiros,
é com grande preocupação que coloco em pauta o assunto da semana para discussão em nosso blog. Na última sexta, 04 de setembro, tive a infeliz idéia de trafegar por uma de nossas rodovias federais no horário de pico do final da tarde. A situação é de total precariedade no que diz respeito ao cumprimento das leis do "Código Nacional de Trânsito". Quem prestar a atenção no perfil dos motoristas pode traçar um biotipo, padrão, que é de quase totalidade. Famílias, com bagagens até no teto parecendo querer mostrar ao vizinho que está indo viajar, com carros novos em folha ou semi-novos, com som alto ou não e que por regra teimam em se achar mais espertos que você - que está igual a um BOBO aguardando sua vez na fila de carros - trafegando pelos acostamentos.
          O tumulto começa quando da primeira retenção, você percebe em seu retrovisor o avanço dos carros pelo acostamento ou pela contra mão, querendo chegar primeiro em seus destinos, como se Búzios ou Cabo Frio fossem sair do lugar em questão de horas. Estes "cidadãos", quando alcançam um certo ponto e percebem que não conseguirão prosseguir pelo caminho "por Deus presenteado a eles", começam a tentar entrar com seus carros de volta na fila oficial. O que me entristece mais, é ver que o companheiro da frente deu passagem a esta escória num total abuso conosco, cumpridores de nosso dever. Ora, se entrou na frente dele, também entrou na minha. No meu entendimento, ele também é conivente! Tal atitude só piora o trânsito e faz demorar ainda mais uma viagem que era para ser agradável. Quando chegamos no "epicentro" da retenção, um entrocamento, por exemplo, parecemos estar numa sucursal do inferno: carros uns por cima dos outros, caos, camelôs gritando, o medo de sermos assaltados, a tensão que o motorista fica pra não ser abalroado ou para não permitir que a fila seja furada pelos malandrinhos. Enfim, quando rompemos esta barreira maldita, passamos para o outro nível do jogo. Passamos a ser retardatários numa disputa em uma pista de alta velocidade que mais parece uma corrida do jogo de vídeo game "Gran Turismo". As possantes máquinas novas e turbinadas passam a uma velocidade média de 120 km/h e quando chegam no destino ainda soltam a pérola "chegamos rapidinho, né amor?" Claro que chegou(!), quase matou meio mundo na estrada.
          Agora, não venham vocês argumentar comigo que é pela falta de policiamento, pois eu mesmo testemunhei a presença da Polícia Rodoviária Federal por diversas vezes multando os espertalhões. Mas afinal de contas, eles são abastados, detentores do direito divino e "é só mandar a multa, porque eles pagam mesmo. Eles têm dinheiro e é afinal para isso que ele serve". Meus caros, vivemos uma falência ética e moral em nossa sociedade, onde nem mais o mexer nos bolsos está adiantando para coibir esses desrespeitos e essa total falta de educação dos motoristas fluminenses.

Dr. Ernesto.

8 comentários:

J. Xavier disse...

Dr.,
extremamente pertinente sua colocação. Por vezes, ao trafegar por estas malfadadas rodovias, pude testemunhar abusos dignos de uma era de barbárie e selvageria incompatível com o grau de evolução que o nosso "querido capitalismo" chegou. Atualmente vivemos em nossa sociedade a total inversão de valores éticos e morais, sendo o mais esperto e mais malandro sendo visto como um desbravador corajoso e destemido.
Além do mais, em sua colocação, o senhor mencionou o fato de não permitir a passagem dos endinheirados espertalhões, porém, grave risco de vida o senhor corre, pois ao topar com um desembargador ou quiçá um delegado de polícia, o senhor pode ser alvejado por uma chuva de tiros, ou de uma enorme quantidade de pancadas com barra de ferro, como já fomos testemunhas, afinal a impunidade lhes é garantida quase constitucionalmente. Aconselho-o a não entrar em confronto com nenhum desses bárbaros, pois de dentro de um Meriva, ou de Honda Civic, pode sair um monstro que irá agredí-lo ao som de alguma música agressiva, com a família ao fundo gritando: "Bate mesmo, bate pra deixar de ser abusado!".
Doutor, deixe para agredi-los quando a Revolução chegar, quando todos eles estiverem subjugados pela Ditatura do Proletariado.
Bela aventura a sua, quanto a mim, mais um membro da classe média baixa, tive de me contentar com um churrasco na laje da casa de um amigo.
E viva Cabo Frio!

Aline disse...

belo comentário Sr. J Xavier!
Viva Arraial do Cabo!

Anônimo disse...

O novo post configura o retrato do famoso "JEITINHO BRASILEIRO", que nada mais é que uma identificação de um cidadão de quinto mundo, querendo tirar vanatagens nas mínimas situações, o q nos deixa evidenciado a citação de Hobbes: " O homem é o lobo do homem."

Peter disse...

O grande problema do brasileiro é achar bonito ser malandro,sem lembrar que tal malandragem coloca em risco a vida de familiares de bem que buscam o merecido descanso após dias (até meses) seguidos de trabalho.
Achei interessante na postagem a questão das bagagens até o teto,o que mostra que o brasileiro vive de aparencia,ou seja,come merda e peida caviar.
Abraço!

J. Xavier disse...

Come merda e peida caviar!
Grande Peter!

Kíssila! disse...

Certo, certo... Concordo com a opnião de todos, mas eu tenho uma pergunta ao sr. que não quer calar: Mas que diabos o sr. foi fazer na estrada na véspera de feriado???? Ahhhhhhhhhh, tava pedindo né!!! rsrsrsrsrsrsrsr.

J. Xavier disse...

Ótima pergunta!
O que o tirou de casa nesse feriado?

Junior disse...

Ahhhhh, e por isso não tenho blog, chega de dedo duro !!! Olho nele Kiki !!!
Sobre a matéria, concordo em parte. Andar pelo o acostamento e uma coisa que me deixa muito irritado, faço de tudo para não deixar o esperto entrar. Na maioria das vezes ate brigo com a minha esposa, pois ela acha que eu tenho que deixar ele entrar. Eu digo não entra !!!!
Sobre a velocidade, quem me conhece sabe que eu gosto de andar, se a estrada permite chegar ate 110 km/h vou nadar, também não tenho nada contra aqueles que gostam de andar a 80, mais pela amor de Deus, fica na direita !! Ate ajuda a evitar acidentes !! Sobre as multas, vale lembrar que são pesadas e justamente para evitar esses abuso, não podendo esquecer dos pontos. O que falta fazer e caçar as carteiras com mais de 21 pontos !! Onde muitas das vezes vira o ano, os pontos se vão e o cidadão começa a fazer tudo de novo.
Bom é isso, ate o próximo post.
Abs, Junior Maciel